Arquivo da categoria: EP’s e Discos

Andaluz.

Foto: Ana Clara Araújo

A Andaluz é:

  • Thiago Brandão (Voz/violão)
  • Danilo Figueiredo (Baixo/violão)
  • Gustavo Guanaes (Teclado)
  • Fabio Lima (Guitarra)
  • Danilo Arcodaci (Guitarra)
  • Marcel Lima (Bateria)

Em 2013 lançaram o EP Passos Tranquilos:

Foto: Ana Clara Araújo | Arte final: Danilo Rodrigues
Produção: Thiago Brandão
Coprodução: Ivan Oliveira


Manhã (Thiago Brandão)


Hoje eu quero dizer (Thiago Brandão)

Hoje eu quero dizer o que eu sinto por você, mas tenho medo
O que pode acontecer se você não quiser os meus beijos?
Já não consigo esconder murmúrios em tons do jeito que fui capaz 

Vem me faz abrir as portas do coração
Você é aquilo que me faltava
Não vou guardar amor. Eu sei que isso é ilusão
Não quero mais me machucar.


Violeta (Thiago Brandão/Mariana Bittencourt)

Quando ela vem chegando cheia de charme pra me esnobar
Seus olhos metem medo. Acho que vem pra ganhar.
Existem mãos e aranhas arranham. Cada espaço a se encaixar.
Manhãs de manhas amassam amansam. Gotas de chá calmas no ar. 

Deve existir em algum lugar uma pessoa pra se amar.
Da cachoeira ou saindo do mar alguém feliz para se amar. 

Quando ela voltar. Tentar me ganhar.
Invadindo o quarto sala de estar. Roubar as chaves da porta da alma.
Flores pra me ofertar. 

Deve existir em algum lugar uma pessoa pra se amar.
Da cachoeira ou saindo do mar alguém feliz para se amar.

Passos Tranquilos(Thiago Brandão)

Você caiu e sentiu medo de estar ficando pra trás
Por um momento esqueceu dos sonhos e os ideais
Viu que podia ser mais. Andando tranquilo em paz.
Com cada passo sempre valendo mais.

Chegou a hora de voltar pro nosso destino
Onde é possível caminhar com passos tranquilos
Chegou a hora de voltar. 

Não foi fácil superar.
O desafio estava lá, mas com coragem você conseguiu recomeçar.
Viu que podia ser mais. Andando tranquilo em paz.
Com cada passo sempre valendo mais. (mais…) 

Chegou a hora de voltar pro nosso destino
Onde é possível caminhar com passos tranquilos
Chegou a hora de voltar pro nosso destino
Onde é possível caminhar


Uma voz que canta(Thiago Brandão)

Consigo ouvir dentro de mim uma voz que canta.
Chegou a hora de voltar a escrever sobre nossas vidas.
Tudo parece tão igual, velha melancolia.
Está na hora de arriscar.
Vou abrir o meu coração por tudo que tenho nessa canção
só pra ouvir você cantar.
Não vou hesitar.

E se você se permitir, então, ouça, porque é tempo de mudar e perceber essa agonia.
Tudo parece tão igual, falsa harmonia.
Não tenha medo de se libertar.
Vou abrir o meu coração por tudo que tenho nessa canção
só pra ouvir você cantar.
Não vou hesitar.

Participação no VandexTV

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , ,

Vitrola Azul.

Vitrola Azul é:

  • Dadi Andrade (Bateria)
  • Thiago Lucas (Baixo)
  • Davi Correia (Voz e Guitarra)
  • Helder Santos (Voz e Guitarra)

Em 2012 lançaram o EP Mais Louca Alegria:

Ilustração: Helder Santos

Texto Base (Rafael Jr.)

Eu tenho base, tenho forma e até conteúdo
O que não quer dizer que eu já tenha tudo
O som que eu faço tá escrito em papel de embrulho
É filho do barulho e pai do computador
Nas entrelinhas eu sou banda voou, nas linhas rock’n’roll

O Texto Base é som à base de adrenalina
Ferro na boneca da menina
É som à base de adrenalina
Anti herói e anti heroína
É som à base de adrenalina
Álcool, metanol e gasolina.

Talvez (Davi Correia/Dadi Andrade/Gabriel Arruti /Helder Santos)

E ela olhou pra mim
Parece até que foi um sonho bom
Fez que ia vir, fez que ia olhar
Fez que…foi, não fez, foi de se esperar
Talvez quando o copo secar

Talvez eu levantasse, quem sabe um bilhete pro garçom
Eu talvez entregasse e você achasse bom

Mas a timidez não me deixou
Talvez encontrar um novo amor
Não sei eu que vou, não…se só eu sei
Que algum de nós vai ter que levantar
Talvez quando o cigarro apagar

Talvez eu levantasse e fosse em teu lugar
Quem sabe eu te beijasse ou só ficasse a te esperar

Mas eu não fui em momento algum
Quando te procurei não te vi mais em lugar nenhum
Passa a noite e eu…passa e desce mais
Eu sou marinheiro e perdi meu cais
Hoje eu te perdi e já não dá mais

Talvez um outro dia, sozinho a navegar
Quem sabe eu encontre seu porto pra ficar


Direção, Produção e Edição: Moringa Design/Sara Cohim

Cine da Esquina (Rafael Jr.)

O Cine da Esquina voltará a funcionar
No mês que vem, na semana que vem
Eu estarei junto com você, no primeiro dia meu bem
Como de costume
Reviveremos ali momentos no cinema
E a nossa grande história de amor.

Hoje em dia (Davi Correia)

Ela sabe o que eu não sei
Que é prever, não sei aonde vou
Calendário de ninguém
Os meus passos eu que dou

Vou desistir, se está assim cansada
Mas se é o fim não quero perder nada
Diz que esse amor era lindo
Diga pro meu coração
Que ainda não sabe que perdeu

Ela sabe, eu também sei
É que hoje nada parece seguro
Ela sabe o que me deu
Pôs o dedo onde vou seguir

Se ela apostou, o amanhã é nada
Se ela mudou, não é minha namorada
Quantos meses mais eu minto?
Tenha alguma reação
Porque não vivo contando com isso
Então não viva contando com nós
Porque não vivo contando com isso.

Mais louca alegria (Davi Correia)

Ainda bem a velha nave só ter defeitos
É tão linda e leve a vida aqui na estação espacial
Não leve a mal, andróide
Mas não fico mesmo nem um pouco aflito
Que não tenha dado certo
Desespero com o que está havendo
Eu tenho medo
Você é silício

Me dê a bíblia
Quero tudo que puder ser resguardado
Revelo em um dia ou mais pros demais
Venha, já é o meio do dia
Sou capaz de contrariar por nós dois
Aprenda:
Vi até o fim dos séculos
Serão séculos de dor

Ninguém vai se juntar aos vermelhos
Quem teve essa idéia de merda de nave espacial?
Simplesmente vá onde marcamos anteontem
Use minha vespa
De amanhã não passa o inicio da guerra inter-estelar

E ainda acham que é uma idéia original
Redemocratizar um marginal instinto: a Dor
Vão embrulhar um pesadelo e lhe entregar
Julga o presente certo, andróide esperto?

Quem mais se juntará à guerra?
Quem desce aí sem chorar ao pisar outra vez na Terra?
Já há 3 mil voltas de sol que ninguém vem da estação
Que ninguém tem os pés
Que ninguém tem os pés, pés no solo colorado
Um craquelê mineral
Onde parece chover bomba há meses
Robôs e mortos no saguão
Naves queimadas, céu marfim…em casa, enfim
Se não der certo aqui
Se eu me entregar assim
Eu serei de Marte.

Samba de Natal (Davi Correia)

Essa tua tristeza?
Deixa no avião e vai
Avisa pro teu pai
Que ele não quis
Mas me mostrou

Que o amor não é
O amor só tá
E em vão
Bem, isso é Deus que eu sei
E Ele não faz por mal
É só um jeito de desafiar

Ah, não faz assim amor
Por causa de alguns meses
É lembrar, que quando isso sarar…
Do que pra nós já é distante e feliz

E se acordar distante
Com o Chico chorando
Pode sorrir amar
O presente que ainda vai chegar

Eu ia fazer um samba pra você
De natal, mas ficou tarde
Queria, quem sabe, aprontar pro carnaval
Outra fineza
Qualquer bobagem

Seria ruim?
Dessa tua tristeza
Deixa no avião e vai
E avisa pro teu pai
Que quando eu chegar

Dessa tua tristeza
Eu não tenho dó da tristeza
Vou levar pra mim
Tá bom?
Pra o que for de nós dois:
Não saia do tom

Três (Davi Correia/Gabriel Arruti/Rafael Arruti)

Se eu pedir você me traz
Da mais fina dor que é capaz
De me fazer quebrar
O que pra nós foi bom
Bom mesmo é não demorar
O sereno dói meu coração

Se mentir você faz
Pouco do amor de um tempo atrás
Melhor viver que lembrar
O que pra vocês foi bom
Eu não mereço esperar um parecer
Da solidão

Vai e vem dizer que um só é pouco
Para esse seu coração sem dono
Vai quando bem quer
Não estou mais louco
De por você perder meu sono

Vai amor meu
Perdoa descarregar em ti
Toda mágoa de meu bem e assim
Se é da boca pra fora
O que mais que ainda posso dizer?

Vai e vem dizer que um só é pouco
Para esse seu coração sem dono
Vai quando bem quer
Ainda tô louco
Pra ver por onde, quando e como.

Registro feito no I Festival Habemus Rock, Salvador-BA.

Registro feito no I Festival Habemus Rock, Salvador-BA.

Todo mundo sabe dela (Davi Correia/Gabriel Arruti/Rafael Arruti)

Enquanto ouve palavras doces
Passeia de bicicleta
Com seu jeito de menina
Não vê porquê em se entregar
A outra bebe amarga vida
É por todos apontada como aquela da avenida
E de todas as quebradas

Que sabe amar
Todo mundo sabe dela
Todo mundo sabe dela
Não vê porque em se entregar

Cedo ou tarde a menina entenderia
O que a outra das quebradas lhe dizia da vida vadia:
– Tem a cachaça, os salões, o sabor de viver as paixões, vem sem pudor à alegria, brasileira, ao calor, bota a roupa domingueira, vem cantar a noite inteira o amor!


Registro feito em apresentação no Festival Munhozstock VI, Munhoz – MG.

6 de Fevereiro (Davi Correia)

Noite tensa nos bares do norte
A malzbeer, ela ou eu tenho a culpa?
Não lembro quem foi que excedeu
Crise no preço do ingresso no bar da sinuca
Um abuso de sorte
Sei lá o que é que te dá
Não calou o bico, só o medo
Era pra ter dançado
Tinha que vir um valentão e abusar

Dêem algum sossego
Deixem ele ai enchendo o policial
Já não houve grito o bastante?
É, foi um show à parte afinal

Deixa eu dar um conselho
Dar queixa é estéril contra oficial federal
Fosse outro Pub irlandês não ia durar até as 3h
É a idéia que eu posso guardar
Como uma placa fantasma, um aviso de bar, que diz:

“O menino que você quis salvar hoje não entra aqui.”

Deixemos isso de lado
Leva um show cansado
Como se forçasse um favor
Ele voltar não é o problema

O quanto ele é bom
É o quanto eu tenho pena

Parece uma recaída
Ou mudança de tom, que é o normal da idade
Bem provável, é que quando termina
Difícil é não ser só vaidade

Dêem algum sossego
Deixem ele ai enchendo o saco do policial
Já não houve grito o bastante?
É, foi um show à parte afinal

Deixa eu dar um conselho
Dar queixa é estéril contra oficial federal
Fosse outro Pub irlandês não ia durar até as 3h
É a idéia que eu posso guardar
Como uma placa fantasma, um aviso de bar, que diz:

“O menino que você quis salvar hoje não entra aqui.”

Para acompanhar e saber mais:

http://www.facebook.com/VitrolaAzul
https://soundcloud.com/vitrolaazul
http://tnb.art.br/rede/vitrolaazul

Foto: Laura Vasconcelos

Etiquetado , , , , , , , , , , ,

Ian Lasserre.

Ian Lasserre

Ep Idéias e Pedaços

Capa do EP Ideias e pedaços
Concept/Design: Helder Santos
Fotografia: Lukas Cravo

Ian Lasserre aposta em vida inteligente na música baiana

Aos 24 anos, estudante de Filosofia na Universidade Federal da Bahia e já com uma história musical na cena baiana – elogiado por trabalhos com o grupo Manontroppo, a banda Neologia e o projeto In-transitu – o cantor e compositor baiano Ian Lasserre investe agora em um trabalho autoral solo. No próximo dia 30 de outubro, ele fará o show de lançamento do EP Ideias e Pedaços, no Teatro Sesi – Rio Vermelho.

Intérprete de voz bem trabalhada e instrumentista com uma marca rebuscada na execução do violão, sedimentando influências evidentes na valorização de ritmos e harmonias brasileiras, Ian vai apresentar no palco um repertório de composições inéditas, quatro reunidas no disco. O lançamento do EP Ideias e Pedaços é o primeiro passo do artista na construção do álbum Pindorama, previsto para ser apresentado em 2013.Para Ian, a depuração das letras nas composições é um dos pilares do novo trabalho. No EP estarão as faixas Sertões, Africanizar, Mar Mirante e Pindorama. No palco, essas quatro canções serão mostradas juntamente com outras sete composições. A maior parte das músicas é assinada por Ian, em parceria com o poeta Thiago Lobão. Completam o time de compositores, Davi Correia e Gabriel Rosário, este último, instrumentista e arranjador, integra a banda que estará no palco do Teatro Sesi. Rosário (bandolim) estará ao lado de Felipe Guedes (guitarra), Alexandre Vieira (contrabaixo elétrico e acústico), de Ícaro Sá (percussão) e de Kainan Gege.O repertório do show reúne melodias e harmonias que sintetizam cores de escolas como bossa nova, Clube da Esquina mineiro, tropicalismo e jazz, emolduradas por bases rítmicas calcadas na matriz índio-afro-brasileira. As letras expõem um olhar sobre o País, como em Pindorama (“chiado em mata, miragem e serra, viu, sete mares, caxangás, cobre, rios, sorte, caxambus, guarás, amigo o caxingó, oitis, torós, cocais, xingus, na sina de encontrar mil minerais e chãos, fundar, com mãos a vida arar, Brasis plantar…”) ou Africanizar (“quilombo sem espaço ficou, quero o outro lado contado, cor não divide o estado, reafricanizar a relação: se hoje cor é pão, por quem fui pintado?”), sem abrir mão do humor inteligente, como em Samba da Língua (“samba, samba, minha língua, com você não posso não, se me diz que é portuguesa, eu lhe digo não é não, é melhor ser brasileira e ter mais de uma cor, sambar tupi latim aqui, falar bantu e suaíli, e te gosto do seu jeito, normativa ou botequim…”).SHOW DE LANÇAMENTO DO EP IDEIAS E PEDAÇOSARTISTA: Ian Lasserre
DIA E HORÁRIO: 30 de outubro, 20 horas
LOCAL: Teatro Sesi – Rio Vermelho (Rua Borges dos Reis, 9, telefone: 3616-7061)
INGRESSO: R$ 20,00 / R$ 10,00

Texto: divulgação

Matéria na revista Muito: http://atarde.uol.com.br/muito/materias/1459822-a-musica-autoral-de-ian-lasserre

Depoimento do produtor, Jorge Solovera: http://www.jorgesolovera.com.br/em-andamento/ian-laserre-ep

Clipe de Os Sertões
Direção, fotografia e montagem por Caio Araújo, como um presente para a Manontropo.
Composição : Ian Lasserre e Thiago Lobão.
Sertão da Bahia, Fevereiro de 2011.

Jazigo Jazz
Composição: Ian Lasserre
Direção: Lukas Cravo

http://www.facebook.com/iancavazinilasserre

Etiquetado , , , , , , , , , , , , ,